Até então com alguns resultados inesperados, a Copa do Mundo da Rússia continua em andamento e a chamar a atenção do púbico. E de olho nesse grande evento, as marcas da América Latina estão lançando conceitos inovadores para aproveitar as oportunidades geradas por esse torneio esportivo global.

Isolados nunca mais

Se o futebol é uma parte muito importante da cultura da América Latina, a Copa do Mundo só reforça o sentimento de pertencimento e união que o esporte oferece às pessoas.

Assistir e apoiar o futebol oferece uma oportunidade de conexão e união em uma era de divisão política. De fato, em tempos em que muitas pessoas se sentem divididas e isoladas, a Copa do Mundo está aproximando as pessoas. 38% dos consumidores brasileiros dizem que durante a Copa eles se aproximam de amigos e familiares, 36% dizem que a Copa do Mundo os torna mais unidos e 45% dizem que são mais patrióticos durante a Copa do Mundo. Mas não é apenas um sentimento de união que a Copa está trazendo, as pessoas também se tornam mais otimistas, com 22% dizendo que se sentem mais otimistas em relação à vida antes e durante a Copa do Mundo.

Algumas marcas estão capitalizando os sentimentos patrióticos, que emergem durante a Copa, para inovar e aumentar sua notoriedade. Vimos o Avvio Mobile lançar um smartphone com tema da Copa do Mundo que apresenta as cores da bandeira da Colômbia e que vem com apps e widgets para acompanhar os jogos. Além disso, Águila, uma marca de cerveja da Colômbia, lançou uma campanha em que a marca muda seu nome temporariamente para “Colômbia” em uma tentativa de promover sentimentos de patriotismo e pertencimento, aproximando as pessoas e incentivando-as a esquecer as diferenças.

Outras iniciativas visam reforçar a união através de compartilhar ocasiões e celebrações. Vimos um chatbot do Facebook Messenger da Brahma que ajuda os fãs da Copa do Mundo a receberem suas cervejas em casa, um serviço de entrega de figurinhas da Copa do Mundo que ajuda os brasileiros a completar seu Álbum da Copa e uma garrafa da Catuaba que pode ser transformada em uma vuvuzuela para ajudar os fãs a celebrar.

Futebol para todos

Também vimos como as marcas estão explorando sentimentos patrióticos por meio de campanhas sociais. Por exemplo, a Brahma está melhorando o acesso das pessoas aos jogos. De fato, a marca lançou uma campanha que oferece às pessoas acesso democrático à tecnologia e ao evento esportivo mais importante do mundo. A marca de cerveja está oferecendo acesso à Internet para pessoas em locais remotos, transmitindo os jogos em espaços públicos, como abrigos de ônibus e bancas de jornal, para que todos possam assistir as partidas.

Mas nem todas as campanhas sociais conquistaram o apoio do consumidor. A campanha da Mastercard para combater a fome infantil gerou controvérsia e foi suspensa. De fato, a marca do cartão de crédito anunciou que, para cada gol marcado por Messi ou Neymar, forneceria 10.000 refeições ao Programa Mundial de Alimentos para combater a fome e a desnutrição infantil na América Latina e no Caribe. A campanha foi criticada nas mídias sociais por pessoas que afirmavam que a compaixão nunca deveria se tornar um jogo.

Mexendo com as emoções

A Copa do Mundo oferece uma oportunidade única para os profissionais de marketing, pois se a campanha for bem-sucedida, ela se tornará parte do entretenimento, e os consumidores não apenas se importarão com ela mas até podem se divertir e criar vínculos emocionais com a marca.

As marcas que querem aproveitar o momento da Copa podem explorar parte da paixão e ansiedade do consumidor que surge durante os jogos. Há espaço para criar iniciativas como o chiclete para ajudar os fãs a mastigar sua ansiedade quando seu time joga, a transmissão ao vivo dos jogos durante voos e até mesmo corridas de graça para fãs embriagados.

Durante esses grandes eventos esportivos, marcados por fortes sentimentos de orgulho nacional, os consumidores ficam mais apaixonados com o que está a sua volta. Como resultado, o escrutínio do consumidor sobre as ações da marca durante esses eventos se torna mais intenso. As empresas deveriam ter isso em mente e cautela ao abordar questões delicadas, como combater a fome infantil com gols marcados pelos craques da Copa do Mundo, pois os consumidores boicotarão rápida e fortemente a qualquer iniciativa que contrarie sua ética e crenças.

Inovação

Inovação não significa somente ser diferente ou novo. Significa criar novos produtos que os consumidores irão adorar, criando um caminho diferente que os consumidores seguirão.

Leia mais
© 2018 Mintel Group Ltd. | Política de privacidade | Termos | Uso de Cookies