O consumidor brasileiro de cerveja fica mais sofisticado. De fato, ele está priorizando a qualidade em detrimento da quantidade. Uma nova pesquisa divulgada pela Mintel revela que mais da metade, 57% deles, afirma preferir beber pequenas quantidades de cerveja cara, em vez de grandes quantidades de cerveja de menor custo. Esse comportamento é mais perceptível entre os consumidores de maior poder aquisitivo. No grupo socioeconômico AB mais de dois terços dos consumidores, 68%, preferem priorizar a qualidade em comparação com 52% dos consumidores das classes C12.

A pesquisa também revela que os homens são mais propensos do que as mulheres a preferir cervejas nacionais: 47% contra 41%. Por outro lado, em relação às marcas internacionais, as preferências são quase iguais: 26% para homens e 23% para mulheres. Além disso, quando se trata de motivações para experimentar novos tipos de cerveja, a pesquisa da Mintel aponta que dois quintos, 42%, dos consumidores mencionaram “um novo sabor/sabor inovador (por exemplo, de frutas, mel)”. Essa razão é mais evidente entre aqueles entre 18 e 24 anos, sendo citada por mais da metade, 53%, deles.

“A nossa pesquisa indica que os consumidores, principalmente os mais jovens, são atraídos por sabores novos e interessantes ao provar novos tipos de cerveja. As marcas podem, portanto, investir em sabores inovadores e exóticos para atrair esse público por meio da curiosidade. Já em relação ao fato que as preferências dos consumidores estão mudando de grandes quantidades para quantidades menores de mais qualidade, investir em embalagens menores para produtos premium pode ser uma oportunidade para atrair as classes mais altas. Apesar de várias marcas nacionais já terem lançados versões menores de seus produtos, as cervejas artesanais e de trigo ainda não aproveitaram essa oportunidade. E como nossa pesquisa mostra que não há uma grande diferença de preferência entre homens e mulheres em relação às marcas internacionais, elas poderiam ter mais sucesso em atrair o público feminino. As marcas internacionais poderiam, por exemplo, lançar edições limitadas especiais voltadas especificamente para mulheres”, sugere Ana Paula Gilsogamo, especialista em Alimentos e Bebidas, da Mintel.

Ainda com uma economia instável, o mercado brasileiro de cervejas apresenta um pequeno sinal de recuperação, com a Mintel prevendo um crescimento de 1% em volume até o final deste ano. Os brasileiros compraram 10,3 bi de cerveja no ano passado e para 2018 está prevista uma quantidade de 10,4 bi litros. No entanto, influenciado pelas incertezas políticas e econômicas do País, além de preocupações dos consumidores com a saúde, o mercado não deve se expandir nos próximos anos.

Em relação ao valor de mercado, a Mintel estima que em 2018 ele crescerá 3,3% em relação a 2017. No ano passado, o mercado brasileiro valia R$ 79,8 bi e está previsto que suba para R$ 82,4 bi até o final deste ano, registrando um crescimento de 3,3%.

“O consumo de cerveja está mudando no Brasil. Os consumidores têm favorecido produtos de mais qualidade e que são menos prejudiciais à saúde, o que deve continuar afetando o mercado, especialmente o crescimento em volume. Já o crescimento em valor pode ser atribuído ao fato de que os consumidores demonstram preferência em beber pequenas quantidades de cerveja cara em vez de grandes quantidades de cerveja barata”, explica Ana Paula.

A pesquisa da Mintel também revela que os consumidores tendem relacionar cervejas artesanais à qualidade dos ingredientes e a sabores inovadores. Quando perguntados sobre quais fatores definem uma cerveja artesanal, quase metade dos consumidores, 45%, respondeu “ingredientes de alta qualidade” e 43% mencionaram “sabores únicos/inovadores” e 34% citaram “ingredientes/métodos de fermentação tradicional”. Apesar de cerveja artesanal estar associada a um menor volume de produção anual e ausência, ou pequena participação, de grandes empresas e indústrias no controle de sua produção, “ser uma empresa independente” é citada por pouco mais de um quinto, 23%, dos consumidores.

A pesquisa também abordou a questão das cervejas artesanais serem adquiridas por empresas maiores. De acordo com o levantamento da Mintel, 40% dos consumidores concordam com a afirmação: “Quando uma marca artesanal/pequena cervejaria é comprada por uma grande empresa, a qualidade da cerveja diminui”, enquanto 38% concordam com,“ pequenas cervejarias independentes produzem cerveja de melhor qualidade do que as grandes empresas ”.

“As marcas precisam criar estratégias para mostrar que a aquisição de uma cerveja artesanal por uma grande empresa não vai prejudicar sua qualidade. Aliás, a comunicação da manutenção da qualidade, especialmente dos ingredientes usados, é essencial, pois a percepção do consumidor brasileiro em relação às cervejas artesanais está mais ligada à qualidade dos ingredientes utilizados do que ao tamanho das marcas ou aos métodos de fermentação”, conclui Ana Paula.

© 2018 Mintel Group Ltd. | Política de privacidade | Termos | Uso de Cookies